A importância da vitamina E na Gravidez

10 de fevereiro de 2014

Durante a fase de gestação, é necessário que a grávida realize uma dieta que priorize os alimentos mais ricos em nutrientes que ajudam tanto com os sintomas sentidos ao longo da gravidez, como as vitaminas que o bebê precisa para se desenvolver bem dentro do útero da mãe, o que pode evitar muitas doenças no futuro.

Sendo assim, durante a gravidez, médicos e especialistas recomendam um reforço na alimentação, geralmente com Complexo B, Cálcio, Ferro, Zinco e vários tipos de vitaminas. A vitamina E se trata de um dos ingredientes descobertos recentemente que pode ser decisivo na etapa de desenvolvimento e formação do bebê.

A vitamina E pode prevenir hipertensão!

Isso mesmo, a vitamina E, o alfa-tocoferol, segundo especialistas que elaboraram pesquisas com ratos em laboratórios, o tipo de vitamina pode ser decisivo na saúde da criança, prevenindo possíveis doenças no futuro, como a hipertensão – pressão alta que pode causar a morte e eclampsia, durante a gravidez.

O efeito acontece porque a vitamina E tem propriedades oxidantes que, se ingeridas durante a gestação, impedem a formação de radicais livres. O tocoferol age prevenindo o estresse oxidativo, que acontece quando a mãe está com deficiência na alimentação.

Proteção do organismo da gestante

Outros estudos apontaram que a ingestão regular da vitamina E promove a proteção do organismo da mãe, pois é um excelente antioxidante. Ou seja, a vitamina realiza uma “limpeza” no organismo, liberando as toxinas e as células do bebê que estão em desenvolvimento. Além disso, a vitamina E atua sendo responsável pela regeneração dos tecidos do corpo, incluindo ossos, cartilagem, pele, nervos e músculos. Um estudo desenvolvido em 2006 apontou ligações entre a vitamina ingerida durante a gravidez e a prevenção da asma até os cinco anos. Ou seja, a vitamina conta com diversos benefícios para a saúde. Pois, é primordial que a mãe consuma os nutrientes para oferecer uma qualidade de vida melhor para o filho. É por isso que tantos médicos e obstetras recomendam o uso da vitamina E durante a gestação.

Atenção: efeitos colaterais da vitamina E

Embora haja diversas pesquisas e estudos sobre a vitamina, ela ainda é considerada como desconhecida pela maioria dos profissionais, e apresenta alguns efeitos colaterais na gestante. Doses elevadas podem causar hipertensão na grávida ao invés de prevenir a doença no bebê. Portanto, é importante que a mãe faça exames de sangue antes da ingestão. É o que os médicos pedem, pois a dose deve ser de acordo com o organismo.

Muitas gestantes têm medo que a vitamina E seja abortiva, porém não há estudos que comprovem esse tipo de efeito por conta da ingestão. Como já dito, os problemas só acontecem quando não há necessidade de ingestão ou uso elevado.

Quais são as fontes naturais de vitamina E?

O nutriente é encontrado de forma natural em alimentos como: legumes, vegetais folhosos, arroz, azeite de oliva, castanha-do-pará, amêndoas, nozes, óleo de girassol, gema de ovo, gérmen de trigo, fígado e azeite de oliva, entre outros.

Os vegetais folhosos são uma ótima fonte de vitamina E

Os vegetais folhosos são uma ótima fonte de vitamina E

Portanto, contar com a vitamina E pode ser saudável e auxiliar tanto na formação do bebê, como no reforço da estrutura corporal e prevenir, principalmente, a hipertensão. A eclampsia tem sido o terror de gestantes que sofrem com a pressão alta, sendo assim, a vitamina E pode ser uma alternativa saudável de alimentação rica em nutrientes.

Escolha os alimentos que você mais gosta constituídos da vitamina e elabore os pratos mais coloridos, comendo de forma controlada sempre. Assim, você aproveita todas as vantagens desse nutriente que auxilia no bom funcionamento do organismo durante o período mágico e peculiar que é a gravidez.