PERGUNTE

Faça a sua pergunta agora! Descubra um mundo novo com suas futuras amigas que estão em gestação e aproveite o momento tirando suas dúvidas e fazendo com que sua gravidez se torne ainda mais feliz e esperançosa.

RESPONDA

Agora não existe mais dificuldade entre entender o que voc ê está passando durante o momento da gravidez. Seja corajosa e encontre a solução do momento apenas procurando respostas que sejam úteis para a sua gravidez.

Você está aqui: Semana a Semana » Gravidez » Dúvidas » Gravidez após cirurgia de redução de estômago pode?

Gravidez após cirurgia de redução de estômago pode?

Uma das maiores preocupações das mulheres que se submetem à cirurgia de redução de estômago é quanto aos prazos e riscos apresentados por uma gravidez após o procedimento. Como a maioria das cirurgias são realizadas em mulheres em período fértil, o assunto tem merecido atenção especial dos especialistas. Segundo os estudos, o período necessário para a estabilização do peso está em doze e dezoito meses, por isso, durante esse período, as alterações metabólicas podem apresentar riscos ao desenvolvimento de uma gestação saudável, tanto para a mulher como para o bebê. Assim, durante esse período de adaptação do organismo, as mulheres devem fazer uso de métodos anticoncepcionais para evitar os riscos de uma gravidez de alto risco. Além disso, a dieta bastante restritiva durante o período de perda peso logo após a realização da cirurgia bariátrica pode vir a ser comprometida pela suplementação com vitaminas e nutrientes necessária para garantir uma gestação saudável. No entanto, após o período contraindicado, a gestação das mulheres que se submeteram à cirurgia de redução de estômago apresenta menores riscos de complicações de hipertensão arterial, além de menor ganho de peso durante a gravidez.

Riscos que a cirurgia após a cirurgia redução de estômago pode acarretar

As deficiências nutricionais durante o período de maior perda de peso logo após a cirurgia bariátrica podem prejudicar o desenvolvimento e, em casos mais graves, aumentar os riscos de desnutrição e  do feto. Com a diminuição do tamanho do estômago, o organismo encontra mais dificuldades para absorver nutrientes importantes para a mulher garantir tanto a sua saúde, quanto a do bebê.

Ilustração de exemplo de uma barriga após uma cirurgia de redução de estômago

Ilustração de exemplo de uma barriga após uma cirurgia de redução de estômago

O suco gástrico, produzido no estômago, é elemento essencial para a absorção das vitaminas e sais minerais, mas, com a cirurgia, a sua quantidade é reduzida drasticamente, o que acaba prejudicando a absorção dos nutrientes pelo organismo da mãe, prejudicando, consequentemente, o desenvolvimento fetal. Por isso, mesmo após o período de dezoito meses, a gravidez deve ser acompanhada por um médico obstetra e, ainda, por um nutricionista, que poderá identificar as carências do organismo para, assim, indicar as suplementações necessárias para a manutenção da saúde da mãe e do desenvolvimento saudável do feto. Segundo os especialistas, cerca de um terço das mulheres que engravidam antes do período de adaptação de dezoito meses acabam perdendo o bebê por problemas nutricionais.

Benefícios que a cirurgia de redução de estômago pode proporcionar

Pesquisas recentes indicam que as mulheres que se submeteram às cirurgias de redução do estômago, após o período de adaptação, apresentam menores riscos de problemas de hipertensão durante a gestação, enquanto os bebês apresentam menos problemas de excesso de peso, além de diminuir os riscos para o desenvolvimento de outras doenças, como alterações cardíacas e diabetes. Para os especialistas, esses benefícios são em consequência dos hábitos mais saudáveis que passam a fazer parte da rotina das mulheres após a cirurgia bariátrica.

Alimentação saudável e mais disposição para as atividades físicas contribuem de forma significativa para a saúde da mulher e do bebê durante a gestação, ou seja, mães saudáveis geram seus filhos com mais saúde. Assim, respeitando o período necessário para o organismo se adaptar às novas condições, a mulher tem prefeitas condições de desenvolver uma gravidez saudável. Já para amamentar o bebê, a mulher deve seguir as recomendações de um nutricionista, para repor os micronutrientes necessários para a produção de um leite completo para a alimentação do bebê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *