Bebê crescendo saudável

23 de setembro de 2014

As vitaminas, minerais, fibras, carboidratos, entre outros, saiba a seguir como que cada um deles poderá interferir no desenvolvimento do seu bebê, e que tipo de alimento você deverá investir para contar com os nutrientes essenciais para o dia a dia.

O corpo humano, independente de sua idade depende de vários tipos de nutrientes para funcionar. No caso das crianças, a função do mesmo deverá ir muito além da sobrevivência. Com isto os alimentos garantem uma possibilidade de desenvolvimento e crescimento dos pequenos. É fundamental deixar claro que cada um dos nutrientes tem um papel fundamental no seu metabolismo. Deve caber aos pais oferecer uma alimentação que seja acima de tudo equilibrada para dar um bom suporte ao bebê que vem em breve ao mundo.

Confira a seguir algumas dicas preciosas sobre estas substâncias fundamentais para nossas vidas.

Invista em alimentos orgânicos e inorgânicos

Existem dois tipos de categorias para estes nutrientes. Os orgânicos e os inorgânicos, e entre os orgânicos temos os carboidratos, as gorduras, as proteínas, ou ainda outros tipos de elementos considerados como construtores, como aminoácidos e vitaminas. Todos os compostos químicos inorgânicos acabam incluindo os minerais e a água. Todos os nutrientes são fundamentais para o organismo das crianças e muitos deles precisam ser obtidos de fontes externas de alimentos já que não podem ser sintetizados pelo próprio organismo por exemplo.

Veja alguns passos para que o seu bebê possa ter um crescimento saudável

Comparando bebê com fita métrica

Comparando bebê com fita métrica

De acordo com orientações do Ministério da Saúde, existem algumas atitudes que devem ser levadas em conta e estabelecem alguns passos para uma alimentação considerada mais saudável de crianças que tiverem até dois anos de idade.

Para as crianças menores de dois anos de idade, é fundamental se dar leite materno até os seis meses de idade, sem oferecer mesmo água, chás ou outros tipos de alimento, já que o leite materno satisfaz todas estas necessidades.

A partir de seis meses, procurar introduzir de forma lenta e gradual outros tipos de alimentos, procurando desta forma manter o leite materno com as crianças que tiverem até dois anos ou mais.

Depois de seis meses é importante também começar a dar alimentos que sejam complementares, como por exemplo, cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes, tudo isto pelo menos três vezes ao dia, e se a criança receber leite materno, e cinco vezes ao dia se estiver desmamada por exemplo.

As alimentações complementares devem ser oferecidas sem uma rigidez de horários, sempre procurando respeitar a vontade das crianças.

Todas as alimentações que são complementares precisam ser oferecidas sem uma rigidez determinada de horários, respeitando sempre a maior força de vontade das crianças.

Toda a alimentação de forma complementar precisam ser espessas desde o começo e oferecidas com uma colher para as crianças, assim ela irá começar com uma consistência pastosa em papas, purês e de forma gradativa podemos aumentar a sua consistência até chegar a um ponto de alimentação comum da família.

Ao passar do dia a dia é importante oferecer para a criança alimentos diferentes, uma alimentação colorida e variada é fundamental para a saúde dos filhos.