Sem categoria2 Comentários

default thumbnail

Vou contar com detalhes a melhor experiência da minha vida!!! beijos a todas!
O grande dia
Pela manhã do dia 23 de Março, comecei a sentir que estava perdendo líquido, tipo água. Era pouca coisa, mas diferente do corrimento normal. Liguei pro médico e ele disse pra ficar tranqüila que se fosse a bolsa teria que escorrer água até o chão. Pediu pra ficar tranqüila e ligar se acaso a dor aumentasse (cólicas) ou se o líquido aumentasse. Por cerca de 11 h 30 min estava sentada no sofá e senti que veio uma tromba d’água. Agora parecia que era a bolsa mesmo. Era muita água, um líquido claro, com cheiro de água sanitária. E assim por diante mais e mais vezes se repetia. O Marco veio e fomos ainda almoçar na rodoviária. As cólicas continuavam e a cada esforço meu eu sentia que estava toda molhada.
Tentei falar com o Dr mas não dava ligação e decidimos pegar todas as coisas e ir a São Miguel.
Por incrível que pareça, eu estava muito tranqüila, estava com 5 cm de dilatação e o não tinha muita expectativa, achando que não podia ser a hora ainda, já que estava de 36 semanas.
Na ida a São Miguel fiquei cuidando os espaçamento das cólicas, estavam regulares de 5 em 5 minutos. Parecia que realmente estava em trabalho de parto.

Logo que chegamos, o Dr Romar nos encaminhou para o Regional dizendo que eu teria o bebê em uma hora e que não teria como fazer o parto com analgesia, porque estava com a dilatação muito adiantada. Disse a ele, que estava preparada para um parto com anestesia e agora, será que agüentaria… Ele me deixou bem tranqüila enfatizando que seria rápido, que eu era forte e que ele estaria comigo o tempo todo.
Pensei pra mim, já estava firme até agora,
eu ia até o fim. E estava segura disso. Nada mais poderia mudar meus planos.
Parecia que era mentira. Eu estava me sentindo bem, tinhas as cólicas, mas medo nenhum.
Chegamos ao Regional as 14 horas e logo fui para a triagem. Comecei a ligar para as pessoas mais próximas, eu num celular e o Marco no outro. Uns 10 minutos depois me encaminharam para a ante-sala do centro de obstetrícia para receber soro. Fui muito bem atendida por uma e enfermeira muito querida que conversou bastante comigo. Um pouco depois o enfermeiro Nilton passou a me atender. Colocou o soro, fez o toque e disse que agora as dores aumentariam. E assim foi. Muito rápido o efeito. As dores ficaram intensas, incontroláveis. Tentei respirar fundo e me concentrar, porque sabia que não seria moleza. Pedi para me abanarem, estava com muito calor, vontade de arrancar a roupa. Nesse tempo ainda estava recebendo mensagens no celular e atendente ligações porque todo mundo estava sabendo a essas alturas que o Davi estava chegando.
Logo decidi desligar o telefone porque não dava mais. Senti uma enorme vontade de fazer cocô e falei para o enfermeiro. Ele até não quis acreditar que já estava na hora mas fez o toque e viu que estava com a dilatação completa – 10 cm. Muito rápido mesmo.
Então ele me pediu pra irmos para a sala de parto e parecia que eu ia ter o bebê a cada passo que dava.
Impressionante as sensações que tive. Instintivamente me deitei e já comecei a fazer força. É muito mágico como a natureza humana é perfeita. Não tenho muita noção de quanto tempo se passou, mas me parece ter sido não mais de 10 minutos. Me concentrei e dava tudo de mim. Empurrei duas vezes e falei que ia desmaiar. A enfermeira do meu lado disse “não mãezinha, você vai ter um filho”! Achei o máximo e na força seguinte ela me pediu para ser mais comprida e embaixo.
E ai senti o meu filho sair de dentro de mim…
primeiro a cabeça e depois o corpinho.
Que maravilha, que adrenalina, que relaxamente logo após, um sentimento de realização, felicidade, orgulho!
Momento sem explicação, único.
O Dr Romar não conseguiu chegar a tempo, quando entrou correndo na sala o bebê já estava nas mãos do pediatra recebendo os primeiros cuidados e o enfermeiro estava terminando de me limpar.
Lembro muito de ter fechado os olhos e agradecido a Deus pela oportunidade de ter vivido este momento que muitas mães nunca puderam sentir, ou por medo, ou por outros muitos motivos que as levam a fazer cesarianas. Agradeci e não canso de agradecer até hoje, porque senti e lembro de cada minuto que se passou.
Tenho consciência de que fui abençoada por ter tido um parto rápido, profissionais excelentes, atendimento de primeira. Estou tendo uma recuperação muito boa, me sinto disposta desde logo após dar a luz.
Me preparei muito para o parto, assisti muitos vídeos e estava firme na decisão de ter um parto normal. Acredito muito que o meu pensamento positivo ajudou em todo o processo e gostaria poder de encorajar outras mamães para que possam viver a experiência
mais fascinante de suas vidas.
Quanto ao Davi, ele nasceu as 14:35 h, com 2,8 kg e 49 cm. Não chorou logo que nasceu, estava com a traquéia trancadinha, mas logo tudo ficou certo e escutei o chorinho mais lindo do mundo.
(continua)

corrente de oração

2 Comentarios neste artigo

  • falquetto abril 9, 2012

    parabéns que DEUS continue te abençoando cada vez mais

    Resposta

  • Barrigudinha abril 9, 2012

    Parabéns Lisss, pelo Davi, que Deus te abençõe muito…
    Fiquei impressionada com o seu relato…, gostaria que o meu parto fosse normal e estou orando por isso, mas meu médico disse que como o meu bebe será grande é melhor que seja cesárea, para que eu não sofra demais. Então não sei…
    Estou com 27 semanas e com um pouco de medo…mas, Deus sabe das coisas…

    Bjs

    Resposta

Adicione um comentário